16 de março de 2017

Resenha | Nossos Dias Infinitos

Peggy é uma garotinha de 8 anos, uma criança como todas as outras. Sua mãe, Ute, é uma famosa pianista alemã que se apaixonou por um jovem rapaz em um dos seus concertos e se casou com ele. Já James, seu pai, é um homem com interesses peculiares. Ele participa de um grupo chamado Refugiados do Norte de Londres, no qual vários homens se reuniam para falar do "maldito apocalipse". Isso se tornara tão importante para James que o homem até construiu no porão um abrigo nuclear, e vivia fazendo listas, muitas listas.

Ute não era tão envolvida nos assuntos malucos do marido, já Peggy era a única participante dos treinamentos de sobrevivência dele. Quando ela ouvia o apito tocar já corria e fazia a mochila e descia para o abrigo dentro do tempo no cronômetro. 

Um dia nos somos surpreendidos com a ida de Ute para a Alemanha. Foi tão de repente e sem aviso que Peggy e James não souberam lidar com a notícia e num acordo silencioso passaram uma temporada morando no jardim. Sem banho, apenas escovando os dentes todos os dias, caçando e comendo pequenos animais na frente de casa. Para Peggy aquilo foi incrível, acampar, se aventurar. Mas um dia, após uma ligação de Ute, o pai de Peggy toca o apito com veracidade. 
Aos 8 anos de idade, Peggy mudou seu nome para Punzel, se mudou para uma floresta e teve de lidar com a notícia de que o mundo acabara, de que sua antiga casa já não existia, nem sua escola, seus amigos, sua avó e sua mãe. De que ela e o pai foram poupados e eram os únicos sobreviventes no mundo. Ela teve de lidar com o fato das velas acabarem, de só ter esquilos e coelhos para o jantar e num inverno rigoroso não ter simplesmente nada para comer. Teve que crescer cedo, lidar com as loucuras crescentes do pai e se conformar que um dia a pasta de dente acabaria. Teve que remendar suas roupas a medida que crescia usando pele de animais e pedir milagres a floresta porque já não aguentava. 

Na orelha do livro alguém escreveu que esse livro "pode muito bem se tornar um clássico" e esse comentário veio a minha mente durante toda minha leitura. A autora descreve a história com muitos detalhes, é poética, criando cenários completos na nossa mente. Ela nos faz querer cuidar da Peggy, se preocupar e temer por ela durante toda a história. Além de confundir nossas mentes muito bem, o que nos deixa numa eterna dúvida sobre o que é verdade e o que não é, e acreditem, tudo vai parecer ser verdade. Ela sabe como mexer com a nossa mente, e tanto manipula os personagens como os leitores. 
O livro todo é muito bonito. A começar pela capa, uma obra maravilhosa, com detalhes que remetem a história e cores não convencionais para a ilustração, o que a torna mais bonita ainda. Por dentro é ainda mais linda, com uma floresta em tons de rosa. A gramatura do papel não é tão alta e as folhas amareladas são passadas facilmente, e para mim esse detalhe deu um ar de livro antigo, daqueles que você já tem a muito tempo e precisa ter cuidado para não rasgar, remetendo mais uma vez o livro à palavra "clássico".

Não se enganem, ele não tem uma linguagem difícil de entender, a não ser algumas palavras em alemão que de vez em quando aparecem. E apesar de ser uma história de um sequestro de criança, fim do mundo, é a forma com que foi escrita, como ela nos faz refletir, pensar, especular e ficar na dúvida, que me faz dizer que ela será um clássico.

Nossos Dias Infinitos foi o primeiro livro que recebi da Editora Morro Branco e eu não poderia estar mais agradecida por eles terem me apresentado esse thriller incrível.

Autora: Claire Fuller
Editora: Morro Branco
Onde comprar: Saraiva | Amazon | Submarino | Americanas



11 comentários:

  1. Tenho problemas sérios com capas kkkkk... Antes de ler sua resenha, fiquei uns 5 minutos olhando para a capa desse livro e já o queria antes mesmo de imaginar do que se tratava... Agora que li, já quero mergulhar na vida da Peggy... Fiquei bem curiosa sobre esse grupo muito "doido" do pai, mas a loucura ficou em minha cabeça quando li que se trata de sequestro e fim do mundo... Foram tipo palavrinhas chave para me atrair como imã... E o livro já está na minha lista de compra.... Amei demais sua resenha e as imagens estão lindas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A capa dele é muito linda mesmo! Apaixonei logo de cara. Espero muito que goste da leitura ♡ e obrigada!

      Excluir
  2. Pra mim aquela história de não julgar o livro pela capa é conversa fiada. Eu amei assim que pus meus olhos nele, fiquei apaixonada pela capa e compraria sim sem pensar duas vezes. Lendo a resenha deu pra ver que ele não é só beleza que ele tem, fiquei muito curiosa para ler sobre a história de Peggy e muito surpresa por saber que se trata de um sequestro, até cheguei a pensar que o pai dela poderia ter algum problema mental. Gostei muito, de verdade.
    Skyscrapers

    ResponderExcluir
  3. Antes de tudo: me identifiquei com o pai da Peggy haha. Eu vivo falando de apocalipse zumbi, e planejando minha vida em um o.O (gostos peculiares!).

    Sobre o livro, ele parece estar me perseguindo, pois aparece toda hora na minha timeline. Com essa sinopse, eu fiquei ainda mais curiosa para saber como tudo acaba e se essa história de fim do mundo realmente é verdade o.O

    Parabéns pela resenha e pelas fotos, que estão lindas *-*

    ResponderExcluir
  4. Eu adorei o título e a capa. A história também é muito boa. Gostei muito da resenha e me deu muita vontade de ter esse livro para mim. Dá para perceber que o pai de Peggy criou uma fantasia só deles. Fiquei aqui imaginando vários possíveis finais para essa história. Haha beijos e parabéns pela resenha.

    ResponderExcluir
  5. Meu Deus, não posso ver Capas, que fico louca!
    Gostei muita da sua resenha, atiçou bastante minha curiosidade em torno do livro! Beijos ♥

    ResponderExcluir
  6. Que capa linda! Adorei as fotos do post e sua resenha. Fiquei super afim de ler o livro! <3

    sorria sempre :)
    www.malusilva.com.br

    ResponderExcluir
  7. Resenha super legal e livro incrivelmente lindo! A Editora Morro Branco têm edições lindas. Acho que vou gostar de fazer essa leitura. E, que capa mais linda! Amei!

    ResponderExcluir
  8. A capa é mesmo fantástica! Fiquei uns bons minutos a admirar a sua fotografia, está muito boa! Com a sua resenha dá pra imaginar um final, feliz, espero eu! Porque vou ler e gosto de bons finais 😊

    Beijinhos!

    ResponderExcluir
  9. Pra começar: a capa é incrível! Como pode? A frase falando sobre os pais descreve os meus, com certeza. O livro parece ser ótimo!

    ResponderExcluir
  10. Que capa mais linda!!
    Eu amo resenha de livro e fiquei apaixonada por esse livro. Já quero comprar para ler

    ResponderExcluir

Adaptado por Isabelle Felicio

Tema Base por Butlariz