15 de dezembro de 2017

O que eu aprendi em 1 ano usando o bullet journal

Eu comecei o ano de 2017 usando um planner que eu desenvolvi, e até funcionou no começo, mas só no começo. Em março eu resolvi que ia testar o bullet journal novamente, já havia tentado em 2016 e não tinha gostado. Só que dessa vez deu certo. Não sei o que fiz de diferente, mas cada vez que eu usava, me animava mais. Em julho eu troquei de caderno, e esse mês ficou marcado como o mês que eu realmente me apaixonei por usar o bujo. Desde então tenho gostado mais e mais.

Troquei de caderno três vezes antes de me sentir satisfeita com o que eu fazia. Acho que isso foi a primeira coisa que eu aprendi. Se eu não estava bem com minhas decorações e tinha condições de ter outro caderno, pois como vocês sabem eles são bem caros, eu ia lá e mudava. Todos os três tinham sido feitos por mim, e eu gostava deles, só não gostava do que tinha feito neles. E mudar de caderno fez uma diferença enorme pra mim, porque a cada recomeço eu tentava melhorar, e no quarto caderno eu senti confiança em mim mesma para continuar.
Apesar da decoração não ser necessária na hora de se organizar, ela me faz ficar animada, me faz ter vontade de usar meu caderno e me planejar. As vezes pode ser um problema, como quando você não tem ideia do que fazer para decorar, mas no geral, fazer essas decorações fez com que eu percebesse uma qualidade em mim: que eu posso ser criativa. Então, mesmo com algumas crises eventuais sobre não saber o que desenhar, acabo fazendo várias coisas diferentes nas decorações semanais. Isso me anima demais, e me faz querer continuar por muito muito tempo.

Outra coisa que eu aprendi é que, usando o bullet journal eu não tenho limites. Com isso quero dizer que eu posso fazer todas as listas que eu quiser e onde quiser, posso desenhar, escrever e colar o que eu quiser de acordo com meu humor e vontade, posso me planejar para uma viagem, para uma maratona ou até financeiramente sem ter que imprimir nada, apenas com as canetas que tenho em casa. O que eu mais gosto disso tudo é que o bujo acaba se tornando meio que a sua segunda casa. Cheio de informações e memórias suas. Essa versatilidade que o método proporciona com certeza é a melhor coisa.
Mas, acima de tudo, o que mais me faz ter carinho por esse método é com certeza o que eu me tornei depois que passei a usar. 

Antes eu era muito procrastinadora. Cheguei a passar dias inteiros assistindo Gilmore Girls sem nem ter coragem de ir fazer comida para mim mesma. Preguiçosa era meu nome do meio. Não digo que não sou mais preguiçosa ou que não procrastino, mas melhorei 200% disso. Eu não fazia o que precisava fazer e isso estava me prejudicando demais, principalmente emocionalmente, já que eu me sentia completamente inútil 24h por dia. Só agora que estou escrevendo isso que estou me dando conta do quão o bullet journal foi terapêutico pra mim, um incentivador.

Hoje não me sinto mais inútil, melhorei na questão de procrastinar, ainda sou preguiçosa, mas acho que parte da culpa disso é do sedentarismo que me faz sentir cansada mesmo sem ter me esforçado (#meta2018: não ser mais sedentária). E eu falei tudo isso pra dizer que, mesmo tendo melhorado nos pontos que eu mais queria, eu fui além sem nem perceber. Hoje sinto que sou uma pessoa mais grata, mais feliz, uma boa esposa, menos reclamona, mais dedicada. Eu realmente sinto que sou uma pessoa melhor. 

Para vocês não falarem que só falei do lado emocional vamos para uma listinha rápida:
Aprendi que dá para aproveitar até etiquetas de roupa <3
★ Aprendi que não dá pra desistir na primeira decoração que você não gostou. O melhor a fazer é tentar até conseguir.
★ Aprendi que não é legal colocar coleções que vão precisar de muito tempo para serem preenchidas. Você acaba o caderno e aquela coleção vai ter que ser passada para outro, e muitas vezes nem será concluída, e isso pode desanimar.
 Aprendi que eu posso usar adesivos para tudo. Para imprimir ilustrações e usar para decorar, para imprimir nomes de dias e meses caso eu não goste da minha letra, para cobrir erros, para desenhar e fazer minhas próprias artes coláveis.
Aprendi que decorar leva tempo, mas é um tempo bem gasto, um tempo terapêutico. Aprendi que é bom separar um dia e um horário para fazer as decorações e planejamento, seja do mês ou da semana, e se divertir.
★ Aprendi que espaços vazios são muito normais, principalmente no começo, que é basicamente uma fase de testes do que funciona ou não para nós. Aprendi que não posso deixar isso me desanimar, que tenho que continuar a testar e com o tempo vou descobrir o que funciona e os espaços serão preenchidos.
★ Aprendi que é sempre bom fazer um rascunho a lápis.
★ Aprendi que, se eu não posso comprar aquele item de papelaria maravilhoso porém caro, eu mesma posso tentar fazer ou substituir com coisas que tenho em casa.
★ Aprendi que eu posso fazer coisas diferentes se tiver a coragem de tentar.

Espero que o seu bullet journal tenha te feito tão bem quanto o meu me fez. 


14 de dezembro de 2017

Resenha | O garoto está de volta

Becky e Reed formavam um lindo casal, até o dia em que tudo acontece e eles se separam. Agora, 10 anos depois, Reed está de volta a pequena cidade onde eles cresceram. Os pais estão passando por alguns problemas e ele precisa estar presente para ajudá-los. E é de se esperar que após dez anos ele tenha superado Becky, mas todo o sentimento volta a tona quando ele vê a mulher que ela se tornou.

Becky é a única pessoa em um raio de 3 cidades que faz o serviço que vai ajudar os pais de Reed, então é contratada para isso. Ela teve o coração partido há dez anos, e não pode deixar que isso aconteça novamente, ainda mais com a mesma pessoa que a destruiu. Mas é inevitável, basta olhar para Reed e ela tem certeza de que ainda o ama.
O livro é inteiramente narrado por mensagens de texto, e-mails, reportagens. Até agora estou tentando descobrir se o estilo de narração foi interessante, se prejudicou a história ou a tornou mais agradável. É fato que, se tivéssemos um texto normal ele seria muito mais detalhado, com mais sentimento. Porém, se assim fosse, ia parecer "mais do mesmo", afinal não é preciso ser vidente para prever o final da história, então foi divertido ler de uma perspectiva diferente.

Um medo que eu tive enquanto lia era de a história deixar alguns buracos e estes ficarem sem conclusão. Porém, apesar da narração diferente, a história não deixou espaços abertos, tudo se concluiu como esperado. Entretanto, a reviravolta da história deixou a desejar. Tive a impressão de que tudo aconteceu muito rápido, todos os problemas, revelações, volta de sentimentos. 

Mas é uma leitura prazerosa, rapidinha e leve, perfeita para curar uma ressaca literária. Um romance fofo para ler em uma tarde de férias.

Me siga no skoob
Autora: Meg Cabot
Editora: Galera Record
Onde comprar: Amazon | Saraiva


11 de dezembro de 2017

Inspirações para o bullet journal #1

Nesse ano o bullet journal entrou de vez para a minha vida. Talvez eu queira parar de usar o método um dia, mas não sinto essa vontade se aproximando no momento. 

O bujo não só me ajudou a ser uma pessoa mais organizada, mas também me mostrou que eu consigo ser criativa, que eu não preciso ficar só babando nas decorações das meninas que eu acompanho e que eu consigo fazer coisas legais se tentar. Eu aprendi muita coisa nesse um ano usando bujo (se desejarem posso fazer um post só falando disso), e foi pensando em tudo que eu passei, acertos e erros, que resolvi fazer um post de inspirações, tanto para inspirar vocês, como para me lembrar do que eu sou capaz de fazer. 

Essas são minhas decorações preferidas. Quando comparo com minhas primeiras tentativas, lá de março por exemplo, eu fico realmente orgulhosa de mim. Acho isso importante, reconhecer sua evolução. Deixar de reclamar porque não consegue e realmente tentar, sem desistir, é a receita certa se você quer um bujo decorado.





Lembro bem de me sentir um pouco triste no início, de esperar muito de mim e me decepcionar. Ainda sinto as vezes. Mas com o tempo fui aprendendo a me sentir bem com o que eu fazia, a me orgulhar de cada coisinha certa para mim. Cada um tem o seu ideal, e olhando tudo isso, eu sinto que estou no caminho certo para o meu.


8 de dezembro de 2017

Resenha | Starcraft - Evolução

Uma das melhores coisas de ser leitora é quando a gente cria uma opinião sobre o livro antes de ler e, ao finalizar, essa opinião ser mudada. Positivamente, é claro. É muito bom quando a história surpreende a gente, quando você não dá nada pelo livro e quando ele acaba você fica maravilhada com tudo que o livro te proporcionou. Foi assim que aconteceu com Starcraft.

Depois de muitos anos em guerra, os Protoss, Zergs e Terranos estão em um cessar-fogo. Porém, um convite um tanto excêntrico pela parte dos zergs compromete esse estado, e aparentemente essa estabilidade pode estar em risco. A super-rainha dos zergs, Zagara, deseja paz, e ela demonstra esse desejo mostrando a restauração de um planeta que havia sido incinerado pelos protoss. Todos ficam boquiabertos com o feito praticamente impossível, mas é real. Ela tem conhecimento de algumas fraquezas da Supremacia Terrana, como a escassez de alimentos, então, como oferta de paz, ofereceu ajuda para resolver esses problemas.

Obviamente, o Hierarca Artanis, líder dos Protoss, e o Imperador Valerian, líder dos terranos, não poderiam arriscar suas populações e aceitar completamente a palavra de Zagara, então enviam uma equipe para o planeta Gystt, para pesquisar, coletar amostras, descobrir se tudo que Zagara oferece é real e seguro.

Confesso que não sabia o que esperar, mas que fiquei mais que satisfeita com o que obtive. A história tem bastante ação, e apesar de existirem raças que não conhecemos visualmente, é bem fácil visualizar tudo mentalmente, o autor descreve as coisas de forma que nos coloca no meio do livro, como se estivéssemos acostumados com tudo aquilo, principalmente com as batalhas.
Existe muita especulação por toda parte, tanto entre a equipe como no meio do comando, sobre o que está acontecendo. Obviamente, alguém está mentindo, porém, é difícil saber quem. A equipe precisa ir até o fim, mesmo com muitos riscos. O resultado desse único e turbulento dia pode selar o destino de muita gente.

A narração da história é intercalada entre vários personagens, o que pode ser um pouco confuso no começo, quando você ainda está se habituando a esse novo universo. Mas chega um momento que, de tanto você sentir vontade de saber o que vai acontecer, quando percebe, já sabe quem é quem.

Logo que comecei a ler e a não entender nada, já me fechei, achando que seria um livro chato inspirado num jogo também chato. E quanto mais eu lia, mais abria a mente, mais queria conhecer a fisionomia dessas raças, mais queria descobrir quem estava por trás de todas as coisas ruins que estavam acontecendo, e mais me dava vontade de comprar o jogo. 

Como eu disse no começo, foi uma surpresa muito boa. Fiquei impressionada com a escrita do autor, que realmente nos coloca no meio da história e nos faz visualizar tudo com facilidade. Não tenho nenhuma reclamação, o que me deixa meio surpresa comigo mesma, já que histórias do tipo normalmente não entram na minha lista de leituras. 

Autor: Timothy Zahn
Editora: Galera Record
Onde comprar: Amazon | Saraiva


4 de dezembro de 2017

Chegou por aqui: Novembro

Esse mês nove livros entraram para a minha estante. Felicidade define! Porém, gostaria de ter comprado mais na black friday, ou pelo menos ter encontrado melhores promoções como no ano passado. Entretanto, consegui comprar um livro que eu desejei desde que foi lançado, o qual achei que nunca compraria por conta do preço.
Essa edição de Harry Potter é a coisa mais linda do mundo! Deve perder só para a edição ilustrada porque enfim. E minha casa não é a Sonserina, e sim a Lufa Lufa, mas a da Sonserina estava por vinte reais e resolvi aproveitar. Foi o único livro que vi numa promoção boa e me interessou. Os outros que adquiri já estavam planejados.
Eu fiz uma lista de compras para a black friday aqui no blog e consegui comprar quatro dos nove livros que coloquei no post. Dois deles eu já havia lido, Trono de Vidro e Corte de Espinhos e Rosas da autora mais maravilhosa que existe nesse mundo. Os outros dois, Hora de Aventura e Stardust, estavam a um tempinho na minha lista de desejados e fiquei super feliz por comprá-los.
Da Galera Record chegaram três livros que eu quero muito ler. Aliás, já até li um deles, O problema do para sempre. Os outros são: Treze da FML Pepper, e O garoto está de volta da Meg Cabot. Sinto que estou lutando contra um bloqueio literário, e por conta disso não estou conseguindo ler rápido nem constantemente, mas mal posso esperar para ler esses outros dois.
A Editora Morro Branco me enviou The Girl From Everywhere - O mapa do tempo, mais conhecido como "o livro que eu mais quero ler no momento porém não posso passar na frente na minha lista de leituras". Esse livro parece ser incrível, a edição está absolutamente linda - como sempre. É uma fantasia, meu gênero preferido, e tem viagem no tempo e provavelmente uma protagonista forte, que eu amo. Queremos ler?

Essas foram as belezuras que entraram para a estante. Estou muito animada e louca pra ler tudo. O que vocês compraram na black friday?


Adaptado por Isabelle Felicio

Tema Base por Butlariz